Receita já identificou ao menos dois tipos de golpes que complicam declaração do Imposto de Renda

A entrega anual da declaração do Imposto de Renda já é aporrinhação suficiente para muitos contribuintes. Todo cuidado é pouco para evitar problemas com o Fisco. Mas ainda há uma preocupação que aumenta a cada ano: o risco de cair nos golpes de roubo de dados e até de dinheiro. 

De acordo com a Receita Federal (RF), os criminosos aproveitam o período para enviar falsas mensagens informando sobre supostas pendências no CPF. Contribuintes do Sudeste e Nordeste do país são os principais alvos dos bandidos. 

Ao menos dois tipos de golpe já foram identificados neste ano. No primeiro, a pessoa é informada de que está com pendências no CPF e que por isso não conseguiria enviar a declaração. No outro, o contribuinte é avisado sobre um impedimento no recebimento da restituição –causada pela mesma falsa pendência.

O supervisor nacional do Programa do Imposto de Renda, José Carlos Fernandes da Fonseca, explica que, na maioria dos casos, criminosos enviam mensagens por e-mail, SMS, WhatsApp e Telegram. No texto, é indicado um link para que o contribuinte possa regularizar a situação. Ao clicar, o computador ou celular ficam comprometidos a serem infectados por vírus. A partir daí os golpistas passam a ter acesso às contas financeiras, redes sociais, fotos e contatos da vítima.

“O brasileiro tem uma criatividade muito grande, e todo ano aparecem novas modalidades. A principal é fazer com que o cidadão ache que é uma comunicação da Receita, entre em algum local não oficial e coloque seus dados pessoais. O famoso ‘clique aqui para resolver’. Ele (bandido) então coleta informações”, detalha. 

Não clique
O supervisor do IR alerta que a Receita Federal não envia nenhum link ou mensagem para os contribuintes, por isso é preciso ficar atento a este tipo de conteúdo. “O importante é reforçar sempre: a Receita Federal não manda avisos por email, SMS ou WhatsApp. Quando quer comunicar, faz oficialmente, através de documentos com aviso de recebimento, então a pessoa tem que assinar. Nas raras vezes que a Receita envia e-mail, apenas pede para consultar a página oficial. Ela nunca manda um link”, ressalta. 

José Carlos Fonseca ressalta que em caso de dúvidas ou desconfiança de algum comunicado recebido, o “pulo do gato” é sempre consultar o site oficial da Receita Federal e nunca clicar em links suspeitos. 

“Todos os serviços para o cidadão estão na página oficial e não precisa sair dela para nada”, avisa, reforçando também que os contribuintes não devem enviar dados por mensagens. 

“Os golpistas vão requisitar informações. Por isso, é importante que você não encaminhe. A Receita vai depositar as restituições diretamente na conta bancária informada no ato de entrega da declaração ou por meio do Pix, no entanto, apenas para quem utiliza o CPF como chave”, detalha.

Fonte: Fenacon