Sob perspectiva de extinção, saque-aniversário do FGTS tem recorde de resgate para janeiro

Valor retirado por trabalhadores até 24 de janeiro chegou a R$ 1,11 bilhão

O valor resgatado via saque-aniversário do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) bateu recorde para o mês de janeiro, enquanto o governo discute a extinção da modalidade. Até o dia 24 deste mês, foi resgatado R$ 1,11 bilhão do Fundo. O valor supera os dados fechados de janeiro em 2022, de R$ 1,1 bilhão, e em 2021, de R$ 1,07 bilhão. 

No dia 4 de janeiro, o recém-empossado ministro do Trabalho, Luiz Marinho, afirmou que pretende acabar com o saque-aniversário do FGTS, retirado através da Caixa Econômica Federal, porque “quando se estimula sacar em todos os aniversários, quando o cidadão precisar dele, não tem”.

Em entrevista à GloboNews nesta semana, o ministro afirmou que irá sugerir a suspensão de novos pedidos a partir de março, durante a primeira reunião com o Conselho Curador do FGTS, marcada para 21 de março.

O saque-aniversário do FGTS foi autorizado no final de 2019, durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), e já foi utilizado por cerca de 29 milhões de brasileiros. O formato permite que trabalhadores com conta ativa no fundo possam sacar, anualmente, uma parte do saldo, no mês do aniversário.

No caso de antecipação de saque-aniversário, o trabalhador pode contratar empréstimo junto a instituições financeiras, usando como garantia o valor a ser retirado.

O máximo que pode ser resgatado varia de acordo com a quantia disponível em conta. As alíquotas variam entre 50%, para quem tem até R$ 500 no FGTS, e 5%, para trabalhadores com mais de R$ 20 mil disponíveis.

Com a retirada anual de parte do saldo, porém, o trabalhador reduz o valor que pode ser usado em caso de demissão sem justa causa. Nesse caso, o FGTS serve como uma “reserva de emergência”.

Fonte: Fenacon