Reforma no teto pode viabilizar isenção do IR, diz Danilo Forte

“Daqui a pouco, até quem ganhar Auxílio vai pagar Imposto de Renda. É um descalabro”, disse o deputado”

O deputado federal Danilo Forte (União Brasil-CE), 64 anos, quer aproveitar o movimento em torno da transição do governo para aprovar o projeto que aumenta a isenção do Imposto de Renda para a população, já que o texto converge com a meta de Lula e de parte do Legislativo. O texto isenta do tributo quem ganha até 4 salários mínimos, o equivalente a R$ 4.848 por mês. “Daqui a pouco, até quem ganhar Auxílio vai pagar Imposto de Renda. É um descalabro. Na tabela deste ano, quem ganha R$ 1.800 vai pagar a partir de 2023. Quem tem que pagar é quem ganha mais”, afirmou o deputado.

Danilo avalia que o esforço político para aprovar o Orçamento de 2023 será o mesmo para aprovar essa proposta. Disse que a dívida pública brasileira está caindo e a arrecadação federal com impostos está subindo. Por isso, não teria alto custo fiscal. E o mercado financeiro já precifica as mudanças porque foram promessas de campanha. A União deixaria de arrecadar R$ 22 bilhões com a atualização do Imposto de Renda. DESAFIO DE LULA Em entrevista ao Poder360, em Brasília, o congressista avalia que o novo governo terá que fazer uma reforma econômica para cumprir as promessas de campanha.

A União deixaria de arrecadar R$ 22 bilhões com a atualização do Imposto de Renda.

DESAFIO DE LULA Em entrevista ao Poder360, em Brasília, o congressista avalia que o novo governo terá que fazer uma reforma econômica para cumprir as promessas de campanha.

O governo de transição quer aprovar uma proposta de emenda constitucional para poder fazer gastos acima da regra do teto. Ou seja, furar o teto de gastos. A proposta deve incluir o auxílio de R$ 600, um voucher extra para famílias com crianças menores de 6 anos, entre outros.

Danilo citou que a mudança no Orçamento pode ser uma oportunidade para aperfeiçoar o teto de gastos. A regra criada em 2016, no governo de Michel Temer, limita o crescimento das despesas à inflação. O deputado avalia que a regra poderia ter um dispositivo que permitisse um aumento das despesas quando a economia estivesse em alta. O impacto permitiria maior investimento público em áreas como infraestrutura. Indagado se o PT vai manter o teto de gastos na gestão Lula, Danilo respondeu: “O PT é muito resistente e muito benevolente quando está no governo”. “Como governo, ele [o PT] terá que pensar diferente. Vai ter que se adaptar às circunstâncias que a economia impõe. E, neste momento, impõe a necessidade de um ajuste fiscal”.

Fonte: Poder360